Sidao Camilo e Jair

Sidão, Camilo e Jair Ventura são alguns dos símbolos da boa fase alvinegra (Foto:Vitor Silva/Sspress/Botafogo)

Felippe Rocha
04/10/2016
08:00
Rio de Janeiro (RJ)

Há quem possa chamar de sorte, outros vão lembrar o acaso e o “trabalho” não será desvalorizado. Mas o fato é que uma conspiração astral colaborou para que o Botafogo saísse de um panorama de medo e risco real de rebaixamento para a condição de aspirante à vaga na Libertadores do próximo ano. A um ponto do agora G6, é inevitável sonhar com a viagem pelo continente.

Por mais que o técnico Jair Ventura ainda vá preferir o discurso de evitar o rebaixamento, o Glorioso fez por onde, neste segundo turno, para estar na oitava posição do Campeonato Brasileiro. Mas o modo como isso aconteceu surpreende. Afinal, Sidão defendeu dois pênaltis recentemente, mas só foi contratado porque Jefferson, goleiro titular e referência do elenco, se lesionou e passou por cirurgia.

O próprio treinador foi alçado ao cargo de líder da equipe após a saída de Ricardo Gomes. A efetivação se deu após a proposta do São Paulo pelo antigo comandante. Deu certo e, com o novato Jair Ventura, o time vai melhor.
Camilo foi outro que superou as expectativas. Por melhor que tenham sido as últimas temporadas, no Botafogo é que ele vive o melhor momento da carreira. Até gol de bicicleta já fez no Brasileiro.

Por fim, a sinergia entre os jogadores, a torcida e a Arena da Ilha vem dando muito certo: apenas duas derrotas – só uma no Brasileiro – vitórias consistentes, adaptação ao contestado gramado e o efeito caldeirão provocado pelo constante apoio de quem vai à arquibancada formam o cenário.

Após brigar contra a degola durante boa parte do primeiro turno, o time melhorou e a ampliação do número de vagas à Libertadores alimenta o sonho: basta, então, manter o retrospecto recente.