Ricardo Gomes - Atlético-MG x Botafogo

Ricardo Gomes busca reorganizar a sua defesa (Dudu Macedo / Fotoarena / Agência Lancepress!)

LANCE!
02/07/2016
07:45
Rio de Janeiro (RJ)

Reorganizar a casa. No início do campeonato, o problema era o setor ofensivo, que tinha dificuldades de balançar as redes e era um dos piores da competição. Agora, quando o ataque consegue deslanchar - marcou três vezes nos últimos três jogos - e a apresentar bons números, a defesa alvinegra, antes tão elogiada, se tornou a mais vazada do Campeonato Brasileiro, sofrendo cinco gols do Atlético-MG na última quinta-feira, no Mineirão.

A busca pelo desejado equilíbrio se torna, a partir de agora, palavra de ordem dentro do Botafogo:

– Voltamos bem no segundo tempo. O Atlético-MG buscava o contra-ataque... Tivemos mais oportunidades, jogamos com mais qualidade, mas em um erro de posicionamento levamos outro gol. A parte defensiva não teve um dia bom e é preciso rever – disse Ricardo Gomes no pós-jogo.

Uma das questões apontadas para a queda de produção da defesa são os quase sistemáticos desfalques. Airton segue fora devido a dores musculares e, desde que retornou, não jogou os 90 minutos em nenhum jogo. Com ele em campo, o Botafogo ainda não sofreu gols no Brasileirão. Carli, que era apontado como o xerife da zaga, participou apenas do jogo contra o Sport, em Recife, pela segunda rodada.

Desde lá ele segue como desfalque. Até mesmo o jovem Emerson, revelação da base, que não entra em campo desde a sexta rodada. E isso reflete nos números...

Foram 20 gols sofridos nas treze primeiras rodadas. Somente contra o Figueirense - em Juiz de Fora - que a defesa alvinegra saiu de campo sem sofrer gols. Foram sete nos últimos dois jogos, que credenciam o clube como a pior defesa do campeonato, junto com América-MG e Chapecoense, com os mesmos 20 gols.

– Fazer três gol em Minas é muito difícil. E certamente não podemos cometer os erros que cometemos atrás. Temos que trabalhar em conjunto para fazer um jogo mais compactado e sem sustos – disse Camilo.

Enquanto um setor sobe de produção, o outro desce. O Botafogo busca agora o equilíbrio para sair da incômoda zona de rebaixamento.