RADAR/LANCE!
23/06/2016
16:05
Rio de Janeiro (RJ)

Contra o Figueirense, na última quarta-feira, foram 20 finalizações do Botafogo. Nenhuma balançou a rede. E isso tem se tornado comum neste Campeonato Brasileiro, competição que o Alvinegro carioca tem o pior ataque, com apenas oito gols marcados, e está na zona do rebaixamento.  

Após o empate contra os catarinenses (0 a 0), o atacante Neilton admitiu que o time precisa trabalhar melhor os chutes. Mas será que o problema é apenas a falta de capricho? E a melhor opção ofensiva para Ricardo, dá para apontar? Especialistas do LANCE! tentam responder estas questões e opinam sobre a má fase do ataque do Fogão.

Eduardo Mansell, editor do LANCE!

A diretoria e o Ricardo muito provavelmente apostaram no Pimpão e no Canales para que eles possam ser titulares absolutos do time. Se jogarem o que se espera deles, com certeza assumem o posto. O problema maior é para o Canales, já que o Sassá tem dado conta do recado quando entra e pode se tornar um concorrente de peso. Eu colocaria Pimpão e Canales, mas sem serem titulares absolutos, insistindo a qualquer custo.

Rafael Pereira, editor do LANCE!

Pior ataque do Campeonato Brasileiro, com apenas oito gols marcados em dez jogos, o Botafogo precisa de uma mudança na frente. A chegada de Pimpão e a entrada de Camilo no meio podem dar uma nova cara ao setor ofensivo da equipe. É necessário lembrar que o Botafogo é um time repleto de garotos e um jogador mais experiente como Pimpão cairá muito bem no time de Ricardo Gomes.

Acredito que quando Ricardo Gomes tenha todos os lesionados disponíveis assim como os reforços os problemas de gols chegarão ao fim.

Felippe Rocha, repórter do LANCE!

Por enquanto, o ataque tem que ser formado por Neilton, que nunca foi artilheiro, mas é o que está decepcionando menos, e Ribamar. Eles se entendem melhor. Mas no caso do Rodrigo Pimpão já estar disponível para este fim de semana, aí muda tudo. Mesmo não estando no ritmo ideal, Pimpão deve jogar pela maior experiência, ao lado de Luis Henrique, devido ao entrosamento que vem do ano passado.

O baixo rendimento do ataque do Bota é uma consequência do desempenho ruim de toda a equipe. Os treinos voltados para finalizações existem, mas não é da noite para o dia que as coisas vão começar a acontecer. Isso demanda tempo.