Corinthians x Botafogo - Campeonato Brasileiro do Sub-20

Yuri, de costas, fez um gol na final; Renan Gorne vive grande temporada (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)

Felippe Rocha
21/09/2016
15:17
Rio de Janeiro (RJ)

O título brasileiro de juniores, na noite desta terça-feira, foi a coroação da grande fase das divisões de base do Botafogo. E, naturalmente, geram expectativa para o sucesso dos jogadores alvinegros também no time profissional. Alguns atletas já estiveram no time profissional, outros não poderão, em 2017, permanecer na categoria, e a tendência é de que, no ano que vem, o elenco principal do Glorioso tenha mais revelações ainda.

Marcinho, lateral-direito, participou da pré-temporada no Espírito Santo. Aos 20 anos, já deverá brigar com Diego, Alemão e o improvisado Emerson no time profissional. Durante o período que a equipe se preparava no Espírito Santo, o atacante Ribamar e o volante Matheus Fernandes, de 18 anos, também integraram o grupo para preencher lacunas. O primeiro já foi até vendido; enquanto o segundo retornou à base e foi importante no título nacional.

Matheus Fernandes pode ter espaço, pelo talento demonstrado na saída de bola. Porém, se preciso, pode atuar mais duas temporadas na equipe sub-20 pelos 18 anos que tem. Há inclusive a própria concorrência com Bochecha, outro destaque da equipe e que já ficou no banco de reservas com Jair Ventura. Aos 20 anos, deve ter espaço no próximo ano.

Porém, ninguém gerou mais expectativa na torcida botafoguense em 2016 do que Renan Gorne. Em 45 jogos até aqui, foram 26 gols marcados pelo centroavante, que passou em branco na decisão do Campeonato Brasileiro. Com contrato até o fim do ano que vem, ele também está no último ano de categorias inferiores. E quer sucesso também como profissional.

- A expectativa é sempre melhorar, buscando o alto nível. Espero poder, futuramente, defender o Botafogo no profissional. Mas para isso preciso trabalhar firme aqui neste tempo que falta na base para chegar o mais preparado possível - entende Gorne.


Porém, outros jogadores também chamam atenção para um futuro próximo. O zagueiro Marcelo, de 20 anos, capitão da equipe de juniores, foi relacionado para o clássico com o Fluminense e entrou nos minutos finais. Assim, ajudou na conquista dos três pontos do time principal no último dia 7. Pode ser convocado para o time profissional ainda este ano.

O também zagueiro Kanu e o meia Yuri, que fizeram os gols do título da última terça, são menos badalados, mas também são observados e, pelo bom desempenho, não seriam surpresa se participassem do time de cima em 2017. Assim como Pachu, atacante mais utilizado no primeiro semestre deste ano e que está no último ano como júnior.

- É um momento que todos atletas esperam ter e, hoje, sou campeão brasileiro. Tenho certeza que esse título vai ajudar bastante em toda minha carreira. Penso em subir para o profissional e conquistar muitos títulos lá em cima também. A torcida do Botafogo merece muito - comemora.

O lateral-esquerdo Victor Lindenberg é o líder de assistências da equipe no ano. Dono da maioria das bolas paradas, ele deu passe para gols em 25 oportunidades este ano, nos 48 jogos que disputou. Outro efetivo atleta no 2016 alvinegro, completa 20 anos em dezembro e tem vínculo até o fim da próxima temporada.

O titular do gol do time comandado por Eduardo Barroca é Diego. Mas a escola alvinegra, que revelou, nos últimos anos, Renan, Andrey e Milton Raphael (todos com passagens por Seleções de base) utilizou outros três na temporada dos juniores. Matheus Cabral, que, assim como os companheiros de posição, já treinou com o time principal, e espera alavancar a carreira a partir de agora.

- A melhor sensação que um jogador sub-20 pode ter é essa: estamos fazendo história por esse clube, vamos ser sempre lembrados. Esse momento do é fruto de muito trabalho e merecimento. Estamos evoluindo muito e só tenho a crescer na minha carreira. Os títulos são importantes e, com isso, planejo uma carreira muito vitoriosa - revela o goleiro de 18 anos.

O elenco comandado por Maurício Ferreira, até fevereiro, e sob as ordens de Eduardo Barroca desde então, utilizou outros jogadores que também sonham com um lugar ao sol. Fernando, lateral-direito; Helerson, zagueiro; Jordan, volante; e os mais Matheus Jorge e Lucas Campos foram presenças constantes.

- Dedico à minha família e a todos os meus amigos por acreditarem e apoiarem. Minha expectativa é chegar ao profissional do Botafogo, clube que abriu as portas para mim. Espero fazer sucesso, ser ídolo, e claro, conquistar muitos títulos - acredita Lucas Campos, outro jogador de 18 anos.

Atualmente, 12 jogadores do time profissional (cerca de um terço) são revelados nas categorias de base do Botafogo. Campeã, a geração vencedora deste ano de 2016 deve aumentar este número muito em breve.