Lazlo Dalfovo
14/06/2018
06:40
Rio de Janeiro (RJ)

Mesmo sem ser brilhante, o Botafogo não encontrou dificuldades para contribuir com as arquibancadas e bater um trôpego Atlético-PR, em duelo realizado no Nilton Santos, na última quarta-feira. A vitória por 2 a 0 não refletiu a considerável quantidade de chances criadas pelo time de Alberto Valentim, que convenceu pela segunda vez consecutiva - algo raro neste Brasileiro. No entanto, trouxe à tona uma curiosidade: pela primeira vez em 2018, triunfou por dois ou mais gols de diferença. 

O Botafogo foi à rede uma vez em cada tempo. No primeiro, um lance polêmico resultou em pênalti, bem convertido por Rodrigo Lindoso. O goleiro Santos fez duas lindas defesas e evitou que o placar virasse de etapa de forma elástica.

No segundo tempo, o Atlético se atirou, fez mudanças táticas e empurrou os mandantes para o campo defensivo. No melhor estilo "por uma bola", o Botafogo apostou na velocidade dos contragolpes e, após escanteio, ampliou e sacramentou o triunfo, deixando os rubro-negros nocauteados na reta final.

- Queríamos atacar o homem da bola. No segundo tempo, a ideia era marcar na intermediária. A linha foi baixando, mas gostei da equipe. Conseguimos jogar bem, controlar, fazer com que o Atlético tivesse poucas chances claras - analisou Alberto Valentim, em entrevista coletiva.

Botafogo x Atlético-PR
Valentim viu a equipe voltar a jogar bem, como tinha sido contra o Bahia, mas, desta vez, sem ser vazada (Foto: Paulo Sergio/Agencia F8)

A atuação foi um alento para o torcedor, que festejou muito a vitória e ovacionou diversos jogadores, inclusive os mais questionados, como Rodrigo Pimpão e Leo Valencia, que se doaram muito, foram bem e mostraram que o gás do Carioca permanece no âmago do elenco.

Agora, com 27 sessões de treinamento após dez dias de folga, o Botafogo se prepara para entrar no almejado G6 a partir de julho. Pausa para a Copa do Mundo com 17 pontos, em nono colocado e pavimentando uma identidade.

COMO O BOTAFOGO INICIOU

COMO O BOTAFOGO TERMINOU