Guerrero e Airton - Botafogo x Flamengo

Airton na marcação em cima de Guerrero no clássico contra o Flamengo (Foto: Paulo Sérgio/Lancepress!)

Felippe Rocha e Vinícius Britto
01/09/2016
11:00
Rio de Janeiro (RJ)

Quem acompanhou o Airton no início de sua carreira, no Nova Iguaçu e depois no Flamengo, e o de agora, vê grandes diferenças. Tanto no estilo de jogo quanto, principalmente, no temperamento dentro de campo. Acostumado a expulsões no passado - no seu primeiro ano de Botafogo, inclusive - o volante deu a volta por cima e apresentou uma nova faceta no time, muito mais "zen":

– O Ricardo Gomes (ex-técnico do Botafogo) reconheceu e me incentivou para ultrapassar as coisas capitais que prejudicaram minha carreira. Eu sabia que podia jogar mais e ajudar mais. Agradeço a comissão técnica que ajudou e o Ricardo que acreditou em mim ainda no final do ano passado - disse ao L!.

Quando perguntado sobre ter ficado marcado por ter um comportamento agressivo no início da carreira, Airton admitiu ter sido prejudicado pelo seu estilo de jogo. Mas nada que uma conversa e conselhos da comissão técnica alvinegra atual não resolvam para essa sonhada e notória mudança de postura:

– Foram lances esporádicos que eu acabei ficando marcado. Mas a comissão teve uma conversa comigo, todos me passaram instruções. Acabava me prejudicando o temperamento, mas eu estou podendo agora mostrar meu futebol, para todos verem que eu não sou um jogador agressivo – enaltece.

Até pelas lembranças do passado, muitos árbitros acabam sendo bem mais rigorosos na hora de punir o volante com cartões. Foram quatro amarelos em 11 jogos neste Campeonato Brasileiro. Números relativamente baixos para o jogador de maior marcação do setor de meio-campo do time. Airton lembrou que não são todos, mas alguns permanecessem marcando ele nos jogos:

– Não são todos. Tem alguns jogos em que, algum lance bobo, sobra para mim. Para parar, que é a primeira falta do jogo, e dá amarelo. Mas é assim mesmo. Só eu vou poder tirar essa fama que foi ficando – completou Airton, ao LANCE!.