Alison, atacante do Atlético-GO (Foto: Divulgação/ACG)

(Foto: Divulgação/ACG)

LANCE!
05/11/2016
06:00
Goiânia (GO)

Na mira do Internacional, Alison é um artilheiro nato. Contudo, a qualidade apresentada pelo centroavante do Atlético-GO não se restringe às finalizações dentro da área. O jovem de 20 anos demonstra virtude também nos chutes de longa distância. A característica é fruto de muito treinamento e de uma inspiração: Zlatan Ibrahimovic.

Os gols contra Brasil de Pelotas, Goiás e Sampaio Correia – todos pela Série B do Campeonato Brasileiro – evidenciam o atributo do atleta. Ele revela, em entrevista exclusiva ao LANCE!, os segredos para acertar as conclusões de longa distância:

– No dia a dia, eu treino muito isso também, bastante finalização de fora da área. É uma característica minha, a finalização forte. Ele bate muito bem com as duas pernas. Isso é muito importante – afirmou.

– Os treinadores me ajudam muito aqui, os auxiliares, treinador. Eles conversam muito comigo no dia a dia. Eles conversam muito para eu me posicionar dentro da área. Eles me mostram vídeos para eu corrigir meu posicionamento – acrescentou.

Mas não são apenas os treinos e as dicas do técnico Marcelo Cabo e seus auxiliares que fazem de Alison um especialista em finalizações de fora da área. O jogador costuma se inspirar em um craque do futebol mundial: Zlatan Ibrahimovic, atacante do Manchester United.

– Eu gosto de ver o Ibrahimovic jogando, gosto de assisti-lo. Eu acho que ele não joga só dentro da área. E eu também procuro sair para finalizar. Então, procuro sempre ver o Ibra, porque ele faz muito bem isso. Ele sai muito de fora da área para bater no gol – declarou.

O jovem centroavante do Atlético-GO ainda tem outra virtude: as cobranças de falta. Desde o período de São Caetano, o garoto costuma treinar – e marcar gols – desta forma.

– Desde as categorias de base, desde quando eu estava no São Caetano, eu treinava muita falta e finalização. E eu continuo treinando até hoje. Eu venho aprimorando com frequência isso – disse.

– Eu treino muito depois que acaba o treino. Eu pego os jogadores separados e trabalho muito o cabeceio. Eu treino muita falta e pênalti em separado também. Eu gosto muito de treinar finalização porque eu preciso aprimorar cada vez mais – completou.