Treinamento do América Mineiro

(Foto: Mourão Panda / América)

LANCE!
19/03/2018
10:48
Belo Horizonte (MG)

O América Mineiro venceu o Boa Esporte, por 1 a 0, neste sábado e garantiu a vaga nas semifinais do Campeonato Mineiro. O Coelho pega o Atlético Mineiro na próxima fase e se prepara para as semis visando não repetir os erros que teve contra o Boa Esporte.

Contra o Boa, o América não teve a melhor de suas exibições. Depois de um primeiro tempo desligado e com pouca inspiração, o elenco americano conseguiu melhorar no segundo tempo, jogando com mais intensidade, apesar do primeiro tempo abaixo da média.

Visando uma vaga na final, o lateral-direito Aderlan, que entrou no segundo tempo na vitória contra o Boa Esporte, no lugar de Norberto, ressaltou que a equipe precisa de foco no confronto, para não repetir a atuação apagada do primeiro tempo contra o Boa Esporte.

- O Atlético tem uma grande equipe e, assim como nosso time, quer uma vaga na final do Campeonato Mineiro. Não podemos deixar o ritmo diminuir. Vamos manter a intensidade nos dois jogos contra eles para passarmos à final da competição. Lutaremos muito por esse objetivo – disse o lateral.

O Atlético Mineiro venceu o URT, mais uma vez, pelo placar mínimo. Com um elenco superior, o Galo enfrenta o América Mineiro mais confiante, apesar dos poucos gols. Porém, o retrospecto é favorável para o Atlético. Nos últimos dez jogos, foram quatro vitórias, quatro derrotas e, apenas, duas derrotas contra o América.

Um dos trunfos do Coelho para o próximo confronto é Rafael Moura. O He-Man voltou a marcar depois de não fez nenhum gol na atual temporada. O atacante tem a companhia de Aylon, artilheiro do Mineiro com 6 gols. Os dois atacantes tem a difícil tarefa de furar a defesa do Galo, uma das melhores do campeonato e principal trunfo do técnico Thiago Larghi a frente do Atlético.

- O mais importante em dois jogos decisivos como esses é manter a concentração sempre. Qualquer erro pode nos custar a vaga nas finais. Precisamos fazer dois jogos perfeitos para que isso seja possível – concluiu Aderlan